terça-feira, 8 de setembro de 2015

AVIÕES QUE VOEI - T 33




O T-33 é um avião Americano a jacto de treino produzido pela Lockheed. É uma versão de dois lugares do primeiro caça a jacto da USAF, o F-80 Shooting Star.

O T-33 foi desenvolvido a partir do P-80 / F-80 começando como TP-80C / TF-80C em desenvolvimento, então designado T-33A. Foi usado pela Marinha dos EUA inicialmente como TO-2, em seguida, TV-2, e depois de 1962, T-33B.












Voltando ao P 80 Shooting Star, poucos aviões na história da aeronáutica foram tão bem sucedidos como ele. Foi o primeiro caça a jacto americano pronto para o combate. Entrou em serviço em 1945. E ganhou logo o 1º combate ar-ar entre aviões de reacção da história, contra um Mig 15 na Guerra da Coreia. Permaneceu em produção durante 15 anos.













O primeiro protótipo do P80, "Lulu Belle", voou no dia 8 de Janeiro de 1944. Entrou ao serviço em 1945. Um total de mais de 1700 aeronaves foi construído. Este avião apareceu no final da Segunda Guerra Mundial, tarde demais para lutar, mas suportou o peso do início das hostilidades na Coreia alguns anos mais tarde.




O avião teve sua origem em Junho de 1943, quando foi pedido à Lockheed para projectar um caça semelhante ao Halford H.1b construído pela De Havilland na Inglaterra, em resposta ao Messerschmitt Me 262 Alemão. O XP-80 foi projectado e construído no período incrível de apenas 143 dias, 37 dias menos do que o cronograma original. Um feito inédito, considerando que este não era um mero avião de pesquisa, mas um protótipo de produção completo com armamento. Foi construído em instalações temporárias em completo sigilo, naquilo que constituiu o início da famosa Divisão "Skunk Works" da Lockheed.


Apesar de trabalhar dentro do quadro global da Lockheed, a equipe Skunk Works trabalhava por conta própria, praticamente autónoma e independente, sob a liderança de Kelly Johnson.

A equipa trabalhava 10 horas por dia, seis dias por semana. Tinha o seu próprio departamento de compras para o abastecimento, um depósito separado, manteve os seus próprios registos e, quando não podiam adquirir o material ou as ferramentas necessárias, compravam tudo numa loja local de ferramentas.

Kelly Johnson tinha estabelecido que todos aqueles que trabalhassem no protótipo, fossem engenheiros ou simples operários, tinham de estar literalmente à vista do avião em todos os momentos. Sob este regime apertado, com Don Palmer como engenheiro de projectos, o trabalho efectivo começou no dia 23 de Junho de 1943.

O ambiente físico onde trabalhavam, que mais tarde ficou conhecido como Skunk Works, era pouco mais que uma construção precária, temporária, construída com madeira recuperada de caixas de transporte e coberto por um tecto de lona. Apertado, mal iluminado, sem ventilação adequada, nem sequer teve janelas até à segunda semana do projecto...

Cinco semanas após o início oficial da obra, o local foi finalmente equipado com ar refrigerado e não ar condicionado, que baixou os mais de 38ºC de temperatura do verão sufocante de San Fernando Valley, na Califórnia, para uns suportáveis 30! A derivação do nome veio da natureza altamente secreta do trabalho que exigiu que a equipe de Johnson estivesse isolada, separada e mantida num pequeno reduto, como se fosse uma doninha fedorenta na toca….
















A equipa era constituída por 28 engenheiros, liderados pelo legendário Clarence L. “Kelly” Johnson o génio que concebeu o U-2 e o SR-71, ambos aqui na imagem.



O impulso para o desenvolvimento do P-80 foi a descoberta pela inteligência aliada do Me 262 alemão na Primavera de 1943, que tinha feito apenas voos de teste com o seu próprio primeiro quarteto de protótipos V1 a V4, todos equipados com trem de aterragem retráctil mas com roda de cauda.

















Depois de receber documentos e projectos que compreendem anos de pesquisa de aviões a jacto britânicos, o general comandante das Forças Aéreas do Exército, Henry H. Arnold, acreditava que uma fuselagem poderia ser desenvolvida para aceitar o motor a jacto britânico e então a divisão de desenvolvimento e pesquisa Materiel Command's Wright Field encomenda à Lockheed o projecto do avião.







Com os alemães e britânicos claramente muito à frente no desenvolvimento, a Lockheed foi pressionada para desenvolver um jacto comparável num tempo tão curto quanto possível.














Kelly Johnson apresentou uma proposta de projecto em meados de Junho de 1943 e prometeu que o protótipo estaria pronto para testes em 180 dias. A equipe de Skunk Works, começando a 26 de Junho, produziu a fuselagem em 143 dias, entregando-a no Muroc Army Airfield, em 16 de Novembro desse mesmo ano.



  Foto do Lulu Belle com as assinaturas de todos os engenheiros e projectistas envolvidos.
  A assinatura de Clarence L. “Kelly” Johnson é a de baixo ao centro












O primeiro protótipo (44-83020) baptizado Lulu-Belle, também conhecido por “the Green Hornet” por causa da pintura que tinha, fez o 1º voo foi em 8 de Janeiro de 1944, tendo aos comandos o piloto-chefe de testes da Lockheed Milo Burcham.























Milo Garrett Burcham nasceu a 24 de Maio de 1903.







Nesse dia 8 de Janeiro de 1944, Milo Burcham prestes a subir para a cabine do XP-80, primeiro jacto da Lockheed, virou-se para Kelly Johnson para obter instruções. "Descubra se é uma senhora ou uma bruxa", disse-lhe Johnson.


O voo durou seis minutos o suficiente para se aperceber das notáveis capacidades de manobra que oferecia. O avião tinha ailerons extremamente sensíveis e conseguia rolar 300 graus num segundo! A Lockheed sabia desde cedo que tinha produzido um campeão. No segundo voo do dia, Burcham alcançou velocidades de 500 MPH e fez várias passagens baixas com espectaculares subidas em volta apertada em frente dos 140 homens que o haviam construído. Era rápido, extremamente estável, com excelente visibilidade a partir do cockpit, mas tinha alguns problemas a solucionar…


Era mesmo uma senhora, apropriadamente apelidada de Lulu-Belle...

















Clarence Johnson felicita Milo Burcham após o bem sucedido primeiro voo do XP-80 Shooting Star




Milo Burcham viria a falecer meses depois, no dia 20 de Outubro de 1944 num acidente provocado por um flame out (falha de motor) à descolagem num voo de teste do protótipo YP-80 da pista da Lockheed em Burbank, Califórnia.

Seis meses depois o piloto de testes, Tony LeVier foi forçado a lançar-se de para-quedas durante o voo de teste de 20 de março de 1945 e sobreviveu, mas sofreu graves lesões nas costas.

A certificação do P-80 foi difícil, causando vários acidentes e a morte a muitos pilotos da Lockeed.

O Major Richard Bong, o piloto de caça dos Estados Unidos com mais aviões abatidos na Segunda Guerra Mundial e com 40 vitórias, a mais alta pontuação Americana, o maior Ás de todos os tempos, foi também vítima de um acidente por flame-out a cerca de cinco milhas de Burbank, onde Milo Burcham já tinham caído.

Mais seis acidentes fatais relacionados com problemas de motor assolaram a certificação do avião, destruindo ao todo 15 aviões. No entanto, o programa continuou a ser aperfeiçoado e em 19 de Junho de 1947, o XP-80R estabeleceu um novo recorde mundial de velocidade, 629 MPH.
 

               Um total de 1.715 aviões P 80 foi construído.











O XP-80 era uma aeronave de concepção convencional totalmente metálica de asa baixa perpendicular à fuselagem, pré transónico e tinha um trem de aterragem triciclo (com roda de nariz e não na cauda). O cockpit não era pressurizado e tinha uma canopy que deslizava para trás. A capacidade interna de combustível era de 200 a 285 galões (757 a 1079 litros) em dois tanques laterais e um tanque anti-fuga na fuselagem. O armamento consistia em seis metralhadoras no nariz de calibre .50 com 200 rpg.





O XP-80 tinha um reactor turbo Halford H.1B de 2.460 lb (1,116 kg) de impulso. No XP-80A o motor foi alterado para o reactor General Electric I-40 turbojet de 4.000 lb (1.814 kg) de impulso. Os P-80 de produção já tinham reactores General Electric J-33-GE-11 ou Allison J-33-A-9s com 3.850 libras (1.746 kg) de impulso. O J-33 foi a versão de produção do GE I-40.



  
Dimensions:   
Wing span:    11.83 m
Length:    10.51 m
Height:    3.45 m


Weights:   
Empty:    3,593 kg
Gross:    5,307 kg
Max. Take-Off:    6,350 kg


Performance:   
Maximum Speed:    558 mph (898 km/h) @ Sea Level
Maximum Speed:    492 mph (792 km/h) @ 40,000 ft (12,192 m)
Cruise Speed:    410 mph (660 km/h)
Climb:    5.5 minutes to 20,000 ft (6,096 m)
Climb:    4,580 ft (1,396 m) in 1 minute.
Service Ceiling:    45,000 ft (13,716 m)


Range:   
Normal:    1,255 km
Maximum:    2,317 km


Fuel Capacity:   
Normal:    425 gal (1,609 lt)
Maximum:    885 gal (3,350 lt)


Powerplant:   
One General Electric J33-GE-11 or Allison J33-A-9 with 3,850 lb S.T. (1,746 kg).       
   
Armament:   
Six .50 caliber machine guns plus 2,000 lb (907 kg) bomb, or ten .5 inch rockets.   


Dados colhidos em:
http://www.aviation-history.com/lockheed/p80.html



O F-80C era a versão mais rápida, com uma velocidade de 580mph. Tinha um motor maior do que os modelos anteriores.

A Força Aérea do Exército dos Estados Unidos da (USAAF) planeou construir o Shooting Star em grande número. No entanto, apenas duas aeronaves chegaram à Itália antes do fim da guerra na Europa e estes nunca foram usados em operações. Apesar do fim das hostilidades, a produção foi mantida numa escala reduzida.

A Lockheed construiu um total de 917 F-80As e Bs. Um avião foi modificado para uma tentativa de recorde mundial de velocidade e em 19 de Junho de 1947 conseguiu estabelecer um recorde de velocidade de 624 mph (1,004 kmh). Algumas dessas modificações foram mantidas no F-80C. Um total de 798 F-80Cs foram produzidos entre 1948 e 1949. Ao mesmo tempo, a Lockheed projectou uma versão de dois lugares, o F-94 Starfire. Este modelo foi equipado com radar para all-weather operations.





Quando a guerra começou na Coreia, os F-80 foram enviados para aí para ajudar os sul-coreanos. No dia 10 de Novembro de 1950, o tenente Russell Brown, voando um Shooting Star, fez história quando abateu um caça MiG-15 russo no primeiro combate decisivo entre caças a jacto do mundo. No entanto, quando comparado com o Mig, transónico e com asas em flexa, o F-80 estava ultrapassado e foi rapidamente substituído pelo F-86 Sabre.



O F-80 era um avião difícil de manobrar, comparado com os mais lentos aviões com motor a pistão e um número alarmante de aviões foram perdidos.

Os Pilotos da altura, ao fazer a transição para jactos pioneiros como o Shooting Star, não estavam habituados a voar a alta velocidade sem o grande ruido de um motor de combustão interna a pistons e tiveram que aprender a confiar nos indicadores de velocidade…


Não é fácil fazer a transição de voar uma aeronave a pistão para um jacto,
como muitos pilotos militares descobriram após a Segunda Guerra Mundial.
O elevado número de acidentes levou Lockheed a pensar modificar 
...o elegante P-80.






      E a  solução foi...

 


      O redesenhado T-33A Shooting Star ou T-Bird.

     Primeiro avião de treino a jacto, de dois lugares:




O T-33 foi o avião a jacto de treino mais amplamente utilizado no mundo, em mais de 30 países.




Apesar de sua longevidade, o venerável avião continua ainda hoje a servir em várias forças aéreas.
Fez o seu primeiro voo em 22 de Março de 1948 pilotado por Tony LeVier,





















Anthony W. "Tony" LeVier nasceu a 14 de Fevereiro de 1913 e morreu com a idade de 84 anos no dia 6 Fevereiro de 1998 depois de sobreviver a oito acidentes e uma colisão no ar.









Tela de George Allison       



O T-33 é um F-80 com uma fuselagem alongada. Acrescentaram-lhe 9 polegadas a seguir à parte da frente da asa e mais 12 polegadas na parte de trás da asa dando espaço a um segundo assento em tandem (um piloto atrás do outro). Tinha também assentos ejectáveis.


O T-33 voava ainda melhor do que o seu antecessor monolugar. “Limpo” e refinado, subia mais rápido, voava em cruzeiro com menos esforço e era um pouco mais rápido do que seus primos mais velhos e menores.






A canopy em forma de bolha permitia uma boa visibilidade para o aluno na frente e para o instrutor no assento de trás. A fuselagem aumentada permitia mais tanques de combustível e consequentemente uma maior autonomia de voo do que o P-80C. Tinha montados também tanques ejectáveis na ponta das asas, tip tanks com capcidade para 235 galões de combustível. Passou de uma autonomia de 1650km para 2050km. Uma asa recta e perpendicular à fuselagem deu um bom desempenho a baixas altitudes e uma excelente manobrabilidade.









Manufacturer:    Lockheed   
  Base model:    T-33   
  Designation:    T-33   
  Version:    A   
  Nickname:    Shooting Star   
  Designation System:    U.S. Air Force   
  Designation Period:    1948-Present   
  Basic role:    Trainer   
       
Specifications       
  Length:    11.4 m   
  Height:    3.5 m   
  Wingspan:    11.4 m   
  Gross Weight:    6,802 kg   
  Max Weight:    6,802 kg   
       
Propulsion       
  No. of Engines:    1   
  Powerplant:    Allison J33-A   
  Thrust (each):    5,400 lb   
       
Performance       
  Range:    1,610 km   
  Cruise Speed:    455 mph    732 km/h
  Max Speed:    525 mph    845 km/h
  Ceiling:    45,000 ft    13,715 m


Dados colhidos em:
http://www.aero-web.org/specs/lockheed/t-33a.htm

 
O T-33 fez o 1º voo no dia 22 de Março de 1948.


Entrou ao serviço da USAF durante os anos 50 do Século passado. A Marinha dos EUA também o adquiriu e modificou-o para operar em mar aberto, com a designação TV-2. Foi o primeiro avião a jacto de treino da USAF. Ficou conhecido como 'T-Bird' e foi produzido sob licença no Japão e no Canadá. No Japão, a Kawasaki construiu 210. No Canadá, o T-33 ficou conhecido como CL-30 Silver Star e os turborreactores Allison originais foram substituídos por Rolls-Royce Nene 10, canadianos. Embora apenas 1.715 P-80 Shooting Stars tivessem sido construídos, quase 7.000 T-33s serviram em todo o mundo.









O T 33 manteve-se ao serviço da US Air Force e Navy até aos finais dos anos 80 do século passado sendo que a versão NT-33 só se retirou em Abril de 1997. E até recentemente continuou a servir no Canadá como um rebocador de mangas/alvo de tiro ar-ar e avião de utilidade geral, tendo sido renomeados para CT-133 Silver Stars. Alguns outros estão ainda em serviço militar activo no Japão e em vários outros países. Cerca de 50 estão nas mãos de coleccionadores civis, principalmente nos Estados Unidos, como estas imagens mostram.




Foto de Chris Rounds - The Red Knight




Alguns T-33s tinham montadas duas metralhadoras para o treino de tiro e, em alguns países, o T-33 foi mesmo contratado como avião de combate: a Força Aérea cubana usou-o durante a invasão da Baía dos Porcos, causando várias mortes. A aeronave RT-33A em versão de reconhecimento produzido principalmente para uso por países estrangeiros, tinha uma câmara instalada no nariz e equipamento adicional no cockpit traseiro.



     Eu também voei na Ota este RT-33A canadiano, aqui exposto no Museu do Ar em Sintra:





Os T-33 continuaram a voar como formadores de pilotos, reboque de mangas de tiro, combate e treinamento de simulação táctica, aviões furtivos, contramedidas electrónicas e treino de guerra e plataformas de teste até aos anos 1980.


Em 2010, o T-33 Shooting Star da Boeing era usado como um avião de acompanhamento durante o vôo inaugural do Boeing 787 e Boeing 747-8.






Embora o T-33 tivesse sido actualizado e reequipado muitas vezes durante sua vida, foi sempre conhecido como T-33A. As variantes oficialmente reconhecidos eram as de ataque, reconhecimento e formação (T-33A), e variantes experimentais. Os T-Birds originais foram equipados com um único reactor Allison J33-A-23 com 20.05kN de impulso. Quase todos estes foram substituídos pelo mais poderoso Allison-A-35 com 24.02kN de impulso.








Esta obra de arte voava assim,
neste vídeo do  YouTube  :







Esta história é feita de textos (e fotografias, todas com passagem por Photoshop feita por mim) compilados e traduzidos de várias fontes, desde obviamente a Wikipédia, aos sitios da Lockheed Martin e outros mais.


Nomeadamente:

 
VINTAGE THUNDERBIRD
http://www.vintage-thunderbird.com/history.html



Lockheed T-33 "Shooting Star"
http://www.warbirdalley.com/tbird.htm



Lockheed P-80 Shooting Star
http://www.aviation-history.com/lockheed/p80.html



Sem estas referências não havia história...



Os meus agradecimentos
.





(Actualizada em 18 de Setembro de 2015)








1 comentário:

  1. Este foi o primeiro Avião à séria que vi na FAP,quando em 1967 tirava o curso de Especialista na BA 2.

    ResponderEliminar