quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Pedaços de vida - O meu 26-de-Abril-de-1974


O Povo Unido... OK...


Eis um bom exemplo do que tantas vezes acontece nas Revoluções.
Uma Revolução também é o que vou contar.
Autobiográfico.



No dia 25 de Abril, por volta das 8 horas da manhã, estudava eu a matéria dada durante o meu curso teórico de Boeing 747, no Centro de Instrução da TAP, em vésperas de partir para Seattle, USA, (sede da Boeing) para fazer o Simulador de Voo.

Abri o rádio e a música era revitalizante: marchas militares. Simpático.

Mas pouco depois ouvi um estranho e histórico comunicado:



video


Comunicado do Movimento das Forças Armadas (MFA)- Vídeo RTP.




Grande espanto! Mas já esperava. Acordei toda a família aos berros:

- Ganhámos, ganhámos!

E os miúdos sem perceberem nada…

O Comunicado, entre a Liberdade prometida e o receio de tudo poder voltar para trás, também pedia para nos mantermos em casa. E como eu precisava muito de saber tudo, tudo, sobre o B-747, fiquei em casa a estudar e a ouvir as notícias.

Mas no dia 26 de Abril não resisti. Fiz gazeta ao meu estudo caseiro e fui até à Baixa.




Nos Restauradores apercebi-me de que algo de muito importante se estaria a passar lá mais para baixo, algures, talvez no Rossio.

E ao passar pela Estação do Rossio vi, à esquerda, junto à Pastelaria Suíça algo que me chamou a atenção. Muita gente, muito agitada. Uma grande confusão.

- É ali! Vou ver!

Afinal era para aquilo que eu estava ali. Estar no meio da acção. No meio do 25 de Abril.
E “a coisa” passava-se, realmente, nas traseiras da Pastelaria Suíça. Na Praça da Figueira.
Havia lá imensa gente, muito agitada, punhos no ar, todos muito nervosos.

Um soldado, de G3 aperrada, calmíssimo, tentava impedir o acesso à porta traseira da Pastelaria.




Dificilmente conseguiria durante muito mais tempo evitar que a turba entrasse, enraivecida, por ali adentro.

E quando a pressão ultrapassou, finalmente, a paciência do militar, mais habituado a outras guerras, mais a sério, não foi de intrigas: rajada de G3 para o ar!

A 2 metros de mim!

Não é muito simpático…

Mas eficaz, convenhamos.

A confiança nos militares (eram todos heróis naqueles dias, todos ao lado do Povo) só deu, no entanto, para se ter aberto um corredor de uns 3 metros de largura. Ninguém se assustou muito. Mas também ninguém sossegou por aí além.

O que é que se passava?

O gerente da Pastelaria Suíça “era fascista”, diziam e toda a gente queria molhar a sopa no miserável, cabrão de merda, do fascista que se teria refugiado, aflito, prédio acima, até às águas furtadas.



E era pelo prédio acima que todos queriam ir. Trazer o fascista para o meio da Praça da Figueira, aquele grande malandro.

- Fascista! Fascista! Fascista!




Às tantas todos os olhares se levantaram para o topo da Pastelaria, tudo sempre aos gritos.

- Grândola Vila Morena…
- O Povo Unido Jamais Será Vencido!
- Morte aos fascistas, etc., etc….

Numa janela das águas furtadas da Pastelaria, um militar fardado, mais graduado, tentava comunicar com a multidão que cá em baixo já quase enchia a Praça da Figueira. E tinha algo na mão que agitava.

E nós todos mesmo ali no centro da acção, eu já muito entusiasmado com a cena, todos prontos a fazer justiça com as próprias mãos, o que queríamos era agir, ir ao focinho ao gajo, sei lá, fazer qualquer coisa própria de uma turba descontrolada.

- Calem-se!
- Calem-se porra!
- É pá,calem-se!!! Deixem lá ouvir o gajo, pá!.

Tudo sempre aos gritos, punhos todos bem no ar e a G3 agitada acima das cabeças não fosse alguém mais afoito tentar alguma asneira maior.





O militar, que parecia estar a uns 500 metros de altura, gritou várias vezes a mesma frase que, a pouco e pouco, começou a ser ouvida, de tanto repetida, pelos que estavam mesmo por baixo, como eu:

- O GAJO É ALEMÃO!

E na mão exibia uma coisa que me pareceu vagamente um passaporte que abanava freneticamente, como que a ilibar o gerente da Pastelaria…

E eu, imbuído daquele fervor revolucionário de Teatro de Revista, pensei, pensei só, mas em voz alta, demasiado alta:

- Bem então o gajo é Nazi!!!.

 É pá! O homem tinha de ser alguma coisa…carago!

E toda a Praça da Figueira desatou a gritar, compassadamente:


 - Nazi! Nazi! Nazi!


Pus-me logo a milhas…

E fiquei a perceber o que também pode ser uma Revolução.


Mas ainda hoje me apetece pedir desculpa ao Gerente da Pastelaria Suíça de então. 

Nunca é tarde…



(Actualizada em 19 de Abril de 2014)



Vídeos do You Tube a não perder:

- Zeca Afonso > "Grândola Vila Morena":
"Grândola, Vila Morena" é a canção composta e cantada por Zeca Afonso que foi escolhida pelo Movimento das Forças Armadas (MFA) para ser a segunda senha de sinalização da Revolução dos Cravos. A canção refere-se à fraternidade entre as pessoas de Grândola, no Alentejo, e teria sido banida pelo regime salazarista como uma música associada ao Comunismo. Às zero horas e vinte minutos do dia 25 de abril de 1974, a canção era transmitida na Rádio Renascença, a emissora católica portuguesa, como sinal para confirmar as operações da revolução. Por esse motivo, a ela ficou associada, bem como ao início da Democracia em Portugal.
Da Wikipédia


video


A canção-senha da Revolução de Abril nasceu da primeira passagem do poeta-cantor pela Vila de Grândola, em 1964, foi escrita dias depois desse concerto histórico para os grandolenses.

A afirmação é do anfitrião da primeira visita de José Afonso à Vila de Grândola, Zé da Conceição, à época membro da direcção da Sociedade Musical Fraternidade Operária Grandolense.

"Na versão original, a última estrofe dizia o seguinte: 'Capital da cortesia, não se tem de oferecer, quem for a Grândola um dia, muita coisa há-de trazer' mas quando foi musicado, em 1971, o poema acabou por ser alterado", esclareceu.

"Esta última estrofe foi substituída por aquela que, hoje, todos conhecem: à sombra de uma azinheira, que já não sabia a idade, jurei ter por companheira, Grândola a tua vontade", rematou Zé da Conceição.

GR/Expresso,  31 de Julho de 2009

- Vitorino > "Trás outro Amigo Também":
Um vídeo da Televisão da Galisa com uma pequena
reportagem antes da actuação do Vitorino.
No início do vídeo vê-se um Chaimite com 3 militares. O da direita é um primo meu, de bigode, o António João, cuja missão era a de indicar o caminho para o Largo do Carmo, que nenhum dos colegas, naquele dia, sabia onde era... Uma Revolução também pode ser isto!

video


- Zeca Afonso > "Vampiros":
Este tema apareceu pela primeira vez num LP intitulado "Dr. José Afonso em Baladas de Coimbra", de 1963. Uma das canções mais emblemáticas de Zeca Afonso.


video



Actualizada em 11 de Abril de 2015

 

 



Sem comentários:

Enviar um comentário